Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

No Fundo da Garrafa

No Fundo da Garrafa

05
Jun20

A Vida

Gitano73

A vida (Sugestão para ouvir)

Somos demasiado pequenos para a vida.
Demasiado pequenos para o sol e para a lua
Diminutos pensamentos que se forjam no "eu"
Quem és tu? quem é aquele que observa o que tu és?
Quem é aquele que ignora o que não és?
Quem é o observador após todas as tuas escolhas e decisões?
És tu
- "Muito prazer, eu sou o mesmo"
- "O mesmo que eu?"
- "Sim mas com ilusões diferentes"

- ...

04
Jun20

A lua, a noite e as estrelas

Gitano73

Sugestão musical de acompanhamento da leitura

Esta noite há estrelas no céu
Nada de novo. Há estrelas no céu todas as noites.
Nem sempre olho para elas, elas não sei, gosto de pensar que sim.
Esta noite a lua brilha.
Nada de novo. Todas as noites ela brilha.
Nem sempre olho para ela, ela não sei, gosto de pensar que sim.
Esta noite eu estou a escrever aqui.
Nada de novo, várias noites escrevo aqui.
Um teclado merdoso, um whisky rasco com gelo para disfarçar, e um cigarro que se vai.
As estrelas, a lua e eu estamos a observar.
A noite, calada como sempre, nota-me e na obscuridade sussura-me palavras.
Eu nem sempre as tenho, ela por vezes cala-se, mas hoje, de janela aberta
ela presenteia-me com estes banhos e bronzeados de lua cheia.
Um náufrago dos pensamentos, crenças e sensações
sem bóias, sem saber muito bem nadar ou sequer sonhar
olho pela janela e vejo os despojos de luz que saem de outros prédios

"Todas as famílias felizes são idênticas, cada família infeliz é infeliz à sua maneira."
Léon Tolstoi Anna Karenina.

Uns riem, outros discutem. Outros ainda estão absortos na televisão ou a resolver jogadas de
treinador de bancada de futebol.
Outros fazem amor, escondidos da luz do dia, não vá ser pecado e Deus (como todos sabem) de noite não vê.
Na minha rua a lua brilha e abençoa todos eles.
Na minha rua a noite esconde parte deles.
Na minha rua, a noite sorri porque eu sei o que a lua está a fazer
A lua, essa rameira que ilumina todos sem excepção, da noite para fora,
acho que também sorri.
Ela tem uns rebeldes de estimação.
Que se escondem do sol

 

 

05
Mar20

Luto

Gitano73

The Corrs- Everybody Hurts

Luto

O luto é uma côr que representa um sentimento de perda e de merda.
Foi instituido quer era em preto, negro ou qualquer coisa mais escura
Eu acho que são sombras de noite que nos queimam a alma, fazendo com que essa escuridão seja rompida por luminosas memórias de e sobre a(s) pessoa(s) em que pensamos e recordamos, vezes sem conta, os mesmos episódios.
Nas filmagens da mente, esses momentos vão ficando menos coloridos, o som já não é stereo e já não me lembro se naquele preciso momento foi um sorriso ou um riso.
Recordo-me dos traços gerais do que eu acho que aconteceu, dos olhares de cumplicidade e daqueles de discussão onde quem tinha sempre razão era sempre, sempre, um dos dois.
O luto e a perda são comuns a todos nós.
As frases ditas são tão rodadas como as minhas garrafas.
Eu nunca sei o que dizer, mas o silêncio pesa-me imenso e falar custa
Acabo por optar por um "força" e sei que isso é tanto como quase nada.
Há pessoas que lidam bem com apoio dos amigos e família.
Eu prefiro falar com o fumo e relembrar com a garrafa.
Não é que tenha acontecido nada neste momento, mas o luto dos que partiram teima em não passar com os anos.

29
Fev20

The light in wich I see/Tears melt me to the bone

Gitano73

Quando estás deprimido, todos te rejeitam porque todos gostam de vencedores.
É quando chegamos ao fundo da depressão, aquele lugar onde o suicídio parece doce
e o esquecer parece uma suave atrofia alcoólica que entendemos que estamos perdoados e que nada destas coisas que nos levam ao fundo realmente importam. Elas são imagens de imagens que a nossa mente projecta no melhor pano de fundo- Nós mesmos.
No fundo das minhas garrafas eu encontrei tanto desespero, tanto sofrimento,
impotência, fúria, frustração, medo, rejeição e inadequação.
Hoje sou capaz de olhar o fundo e sorrir, achar a inedequação algo especial
Ver a rejeição de outra maneira, o medo como ele tenta manipular-me
A frustração vejo como uma oportunidade de tentar novamente
A furia uma pausa para contar até mais de dez (onze ou doze no máximo)
e a impotência como uma voz muda que ninguém quer ouvir, mas é minha.
O sofrimento e desespero são tons pastel de uma tela que eu já não quero colorir
Penso em mim, em Deus, no mundo e em ti, sejas quem fores.
Penso em entender o perdão ou a graça
Até finjo entender o que isso é de uma forma lógica
e sonho em sentir isso de uma forma inteira e una.
Quem é que eu escolho ser?
Mais um que pratica uma vez por semana a bondade e perdão
ou alguém que treina todos os dias para se perdoar a si mesmo e estender isso mesmo ao seu irmão.

24
Fev20

O Caminho das marés

Gitano73

O Caminho das marés

(Sugestão para ouvir ao ler)

No embalo da lua e de almoços flatulentos
Encontram-se três tristes tigres e mais um que não tinha lugar na conta.
O escarlate do vinho fazia descobertas em gargantas secas e o intenso das conversas não se advinhava até que fossem analisadas com conta e medida.
Conta e medida só usou quem conduzia.
Eu sempre soube o que era mas nunca usei em mim porque tenho medo que me iniba.
Mas lá estávamos os quatro com juventudes gastas e promessas de cura e despertar.
Todos os cimentos cansados e quase demolidos eram belos e perfeitos.
Eu olhava para os edifícios acabados e não entendia, a visão não me era estendida.
Mas sorria porque sabia que sim, porque sabia que não era possível ver de outra maneira.
Todos argumentam e todos levam o seus cinco tostões de razão e isso enche o peito
As concessões eram servidas à descrição, a tentação de contra-argumentar afogou-se no vinho e no amor.
Que por sinal era molhado, vermelho e ajudava ao tom suave das conversas
Depois vieram os cafés, sobremesas e espirituosas bebidas
(now we're talking)
Vieram anedotas, cumprimentos ao senhor do chapéu, por ser giro e ter um chapéu.
E vieram também insights de temas mais cansados de livros mais que lidos, relidos e esquecidos.
Não estão na moda, não dizem coisas "fixes". Estão soterrados em todas as ideologias que
defendem que não são precisos. É fraca a ideologia que diz que não precisa de algo mas nada tem para repor.
Após uma maravilhosa excursão por Motecarlo e Mónaco e as suas rústicas e étnicas vivências acabamos onde começámos.
No nr 6 de uma rua estafada dos carros que lá passam.
A encomenda foi entregue incólume, ao seu antro de origem. Agora sim, vamos. Vamos mais e mais em frente
Pensa e projecta o que quiseres, o que tu não sabes é que eu tenho quem me ajude a derrubar todos os egos
separados e inesperados. Vais cair, aos poucos, muito poucos, mas vais, e eu vou estar lá para sorrir porque sim.
(e vou contigo)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D